CONSELHO PORTUGUÊS de IGREJAS CRISTÃS

Juntos a anunciar o amor de Deus desde 1971

Newsletter

Subscreva-se e receba informações do COPIC



Joomla Extensions powered by Joobi

 

 

A Catedral de S. Paulo, da Igreja Lusitana (Comunhão Anglicana), em Lisboa, acolheu na tarde do dia 25 de Janeiro de 2014 a cerimónia de reconhecimento mútuo do Batismo entre Igrejas.
A celebração foi inserida na celebração da semana de oração pela Unidade dos Cristãos e compreendeu a assinatura de uma declaração de reconhecimento mútuo da validade do sacramento do baptismo administrado nas Igrejas.
A declaração foi assinada pelos Bispos e Presidentes das Igrejas. As Igrejas que assinaram o documento foram: a Igreja Lusitana, a Igreja Católica Romana, a Igreja Ortodoxa do Patriarcado Ecuménico de Constantinopla e as Igrejas Metodista e Presbiteriana. Estas Igrejas reconhecem o Baptismo como vínculo básico da unidade e esperam que o reconhecimento constitua um passo em frente no caminho da unidade visível do único Corpo de Cristo «para que o mundo creia».
A cerimónia muito festiva foi participada por aproximadamente meio milhar de pessoas de pessoas das diversas Igrejas e entre elas muitos jovens no que constitui um sinal muito encorajador para o futuro do Ecumenismo em Portugal.
 
Texto integral do documento:
 
Reconhecimento Mútuo do Sacramento do Batismo
 
A IGREJA CATÓLICA ROMANA, a IGREJA LUSITANA CATÓLICA APOSTÓLICA EVANGÉLICA, a IGREJA EVANGÉLICA METODISTA PORTUGUESA, a IGREJA EVANGÉLICA PRESBITERIANA DE PORTUGAL e a IGREJA ORTODOXA DO PATRIARCADO DE CONSTANTINOPLA, conscientes da concordância que entre elas já existe sobre os pontos fundamentais de doutrina e prática batismal e constatando que, na prática, já aceitam tacitamente o reconhecimento mútuo da validade do sacramento do Batismo tal como é administrado nas suas Igrejas, decidem:
Reconhecer mutuamente a validade do Batismo nelas administrado e tornar público este reconhecimento
e, em conjunto, declaram:
  1. Aceitar que o Batismo nelas administrado foi instituído por nosso Senhor Jesus Cristo e é, fundamentalmente, uma dádiva gratuita de Deus ao batizando, vinculando-o com a morte e ressurreição de Cristo (Rm 6,3-6), para o perdão dos pecados e para uma vida nova;
  2. Ensinar que o Espírito Santo desceu sobre Jesus no seu Batismo e desce também hoje sobre a Igreja, tornando-a comunidade do Espírito Santo que, em testemunho, serviço e comunhão, proclama o seu reino;
  3. Aceitar o Batismo como vínculo básico da unidade que nos é dada pela fé no mesmo Senhor;
  4. Aceitar o Batismo como processo da nossa consagração para a edificação do Corpo de Cristo, tendo em vista o nosso crescimento «até que cheguemos à unidade da fé e à medida da estatura da plenitude de Cristo» (Ef 4,13);
  5. Administrar o Batismo com água e em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, para a remissão dos pecados, de acordo com a intenção e o mandamento de Cristo (Mt 28,18-20);
  6. Excluir a possibilidade do rebatismo nos casos de passagem de membros de uma Igreja para outra;
  7. Aceitar como válidos os certificados de Batismo emitidos pelas nossas respetivas Igrejas;
  8. Esperar que este reconhecimento constitua um passo em frente no caminho da unidade visível do único Corpo de Cristo «para que o mundo creia»    (Jo 17,21) e contribua para uma maior comunhão entre todos os batizados.
 
Lisboa, Catedral Lusitana de S. Paulo, 25 de Janeiro de 2014
VIDEOS

 

 

 

Facebook

Programas de Rádio


PopUp MP3 Player (New Window)

Conselho Português de Igrejas Cristãs - Copyright © 2015. All Rights Reserved.